0800 941 0110

SÃO PAULO/MINAS GERAIS

0800 282 2443

RIO DE JANEIRO/ESPÍRITO SANTO

0800 941 0110

CENTRO OESTE

0800 703 3353

NORTE/NORDESTE

NOTÍCIAS

MENU NOTÍCIAS

01/01/2019

Participantes da palestra técnica em São Paulo enviam suas dúvidas e palestrantes respondem

TIRE AQUI SUAS DÚVIDAS SOBRE TODOS OS TEMAS ABORDADOS

ITOGRASS

Como posso me tornar um distribuidor ou parceiro comercial da Itograss?

Inicialmente entre em contato com nossas regionais de vendas e iremos marcar uma visita para apresentar a Itograss a sua empresa.

Estamos sempre abertos a novas parcerias.

https://itograss.com.br/regional/

 

Como solicito uma visita técnica dos agrônomos?

Da mesma forma, entre em contato com nossas regionais, pelo 0800 ou mesmo pelo site e solicite a visita.

Informo que em nosso site você pode encontrar muita informação técnica que pode lhe ajudar.

 

Quais as variedades disponíveis para a região metropolitana de São Paulo?

Todas as variedades produzidas estão disponíveis, ao entrar em contato com a Itograss, nossas vendedoras poderão lhe ajudar, formulando os orçamentos, assim como ajudando com as informações necessárias.

https://itograss.com.br/tipos-de-grama/

 

A Itograss tem algum planejamento de novas produções na região Sul?

A Itograss tem estudado projetos na região, porém no momento estamos focados na ampliação de algumas unidades, assim como a implantação de novas variedades.

 

VARIEDADES PRODUZIDAS E TENDÊNCIAS DO SEGMENTO

Por que a Itograss lançou as mini-zoysias?

Os programas de melhoramento genético dos principais mercados mundiais, buscam gramados que atendam uma série de exigências. As novas mini zoysias da Itograss, atendem aqueles consumidores que buscam por variedades que demandam uma quantidade menor de manutenção com grande apelo visual como a textura fina de suas folhas.


A Celebration é melhor que a Tifway 419?

As principais características que favorecem a Bermudas Celebration neste comparativo são a sua maior velocidade de crescimento (capacidade de recuperação) e a sua maior adaptação, quando comparada a Tifway, a pouca luminosidade. Como estas exigências são necessárias nas principais arenas de futebol do Brasil a Celebration se tornou referência para essas condições.



Qual a quantidade de jogos máxima por variedade?

Essa resposta depende de uma série de características, mas considerando um preparo ideal de um gramado sobre uma camada de topsoil o que indicamos é sempre as Bermudas para gramados profissionais, ou outros de alta utilização, e o da esmeralda ou esmeralda imperial para gramados residenciais/particulares. Um gramado de Bermudas necessita de uma carga maior de manutenção, com podas semanais no verão e adubações frequentes e nem sempre o uso doméstico se justificará frente tal investimento.



A Imperial é mais resistente que a Esmeralda, por quê?

A Imperial é fruto de um trabalho de melhoramento genético que conseguiu alcançar uma espécie com um sistema radicular muito mais volumoso e agressivo que a espécie original. Essa característica confere uma planta muito mais robusta e resistente a uma série de fatores, como a falta de água, por exemplo.



Qual o máximo de sombra que a São Carlos plus tolera?

De forma empírica, orientamos que a grama São Carlos Plus deve ser plantada em áreas SEMI-SOMBREADAS com um filtro de até 50% da luz ou que receba pelo menos 4 horas de luz direta. Abaixo disso, não recomendamos o uso desta variedade.

 

Quando compensa plantar um campo com Maxi Rolo ao invés de tapetes?

Quando o objetivo for instalar um campo de forma mais rápida, com uma qualidade maior, uma vez que a redução no número de emendas é da ordem de 90%, quando utilizamos Maxi Rolo.

Hoje é possível plantar em torno de 3000m²/dia nesse sistema. Outro ponto que deve ser considerado é que o período entre o plantio e a liberação para uso do gramado é de menos 15 dias, se seguida todas as instruções técnicas.



Como é o equipamento que facilita o plantio de maxi Rolo em taludes?

O equipamento é simples e consiste em uma plataforma estável que possibilite a abertura ou desenrolar dos rolos da parte alta do talude para a parte baixa.



Qual a área que consigo fazer com um caminhão de Sprigs?

Você pode transportar em um caminhão truck aproximadamente 14 toneladas de Sprigs. Essa quantidade é suficiente para a instalação de um gramado de futebol com medidas profissionais e suas áreas marginais, ou seja, 9.000m².

 


A Itograss só comercializa Sprigs de Bermudas? Por quê?

O plantio de Sprigs deve ser utilizado com espécies que tenham uma alta capacidade de armazenamento de água em seus estolões. As Bermudas são as espécies mais resistentes a falta de água e com maior velocidade de crescimento, por isso são as variedades recomendadas. Preciso reforçar aqui que, além da espécie apropriada, o projeto também tem que considerar a quantidade de água que será necessária na fase inicial após o plantio. Apenas em áreas com sistemas de irrigação eficientes esse projeto deve ser iniciado.

 

READY TO PLAY: a nova tecnologia das arenas esportivas

Quais os estádios brasileiros que utilizam esta tecnologia?

Qualquer estádio pode usar. Atualmente os estádios do Maracanã, Beira Rio, Arena do Grêmio, Morumbi e Allianz Parque.

 

Qual o prazo mínimo entre o plantio do Ready To Play e a sua utilização?

Recomendamos dois dias. Somente para fazer a marcação das linhas e acabamentos finais.

 

A grama já vem das fazendas da Itograss com a semeadura da grama de inverno?

Existe esta opção, porém requer um planejamento de, pelo menos, 2 meses antes do plantio.

 

Além da utilização grama de inverno, quais os demais manejos especiais feitos na fazenda?

Muitos manejos como, cortes verticais, uso de adubos especiais para enraizamento, coberturas com areia para nivelamento, corte com maquinas especiais, etc.

 

Existe um controle de qualidade prévio ou vistorias antes do fornecimento?

Sim, são realizadas vistorias prévias entre Itograss e os clientes para controle de qualidade, além do controle de qualidade interno.

 

IRRIGAÇÃO NO PAISAGISMO E JARDIM VERTICAL

Quais as datas e locais das próximas academias Rain Bird?

De 28 de outubro a 1º de novembro - Salvador (BA).

Para informações contatarfhaun@rainbird.com.br

 

A quantidade de água varia conforme a variedade? Por exemplo, São Carlos e Esmeralda?

Sim varia, pois cada variedade tem um consumo de água. Esmeralda necessita de mais água do que a São Carlos quando ambas podadas a uma mesma altura

 

O uso de um sistema de irrigação, bem projeto, economiza ou não água?

Com certeza! Além da economia melhora a saúde do gramado.

 

Irrigar nas horas mais quentes do dia faz mal para o gramado e outras plantas?

Não é recomendado por razão de economia de água. Irrigar nestas horas temos uma perda de água de aproximadamente 10% por causa de evaporação direta.

Mas usar a irrigação para quebrar a temperatura do gramado é bom e reduz o stress das plantas. Seria uma aplicação suave e rápida e não uma irrigação.

 

A IMPORTÂNCIA DO GRAMADO NA CONSTRUÇÃO DA PASIAGEM

Quando estivermos projetando, como podemos incentivar o uso recreativo dos gramados, como mostrado na palestra?

O mais importante é não ter barreiras do tipo grades e desníveis. É preciso que a gramado esteja no mesmo nível das áreas de piso para que se torne um convite para o desfrute. Outra estratégia é o uso de mobiliários urbanos sobre o gramado, o que sem dúvida vai atrair o usuário para o espaço.

 

Para criar espaços gramados que promovam ou estimulem a interação com os jardins, devemos utilizar mais plantas altas (arvores ou palmeiras) ou maciços de plantas de porte menor?

É preciso criar um jardim convidativo, não necessariamente usando um tipo de planta ou de outra. É preciso ter equilíbrio e proporção e o uso excessivo de árvores pode deixar o espaço escuro, frio e úmido, impossibilitando o desenvolvimento do gramado. O uso excessivo de maciços de arbustos pode deixar o espaço muito fechado e propiciar um ambiente muito segmentado e com uma atmosfera de insegurança. Equilíbrio é a fórmula do sucesso!

 

ALLIANZ PARQUE: plano de manutenção do gramado

Por que a Celebration foi escolhida para o Allianz?

Dentre as variedades disponíveis no mercado brasileiro, a Celebration foi escolhida por apresentar uma boa tolerância ao sombreamento e uma recuperação muito rápida, características importantes para um gramado esportivo em um estádio como o Allianz Parque.

 

Por que no Allianz Parque é usado iluminação artificial?

No inverno, a região norte do gramado não recebe nenhuma luz solar direta e esse sistema de iluminação é utilizado para compensar o sombreamento da cobertura do estádio.

 

É usado corantes no gramado do Allianz? Qual e quando isto acontece?

O uso corante acontece sempre o que aspecto visual do gramado estiver prejudicado por algum evento ou show que aconteceu no estádio.

 

O gramado na sombra, como o do Allianz, exige mais ou menos adubações e podas?

O gramado na sombra cresce menos, portanto necessita de menos fertilizante. Porém, os fertilizantes utilizados precisam ser de melhor qualidade para serem bem aproveitados. Quanto ao corte, não há variação, pois toda vez que o gramado é cortado ele precisa ser cortado por inteiro.

 

PRAGAS E DOENÇAS EM GRAMADOS

Qual a relação entre o excesso ou falta de Nitrogênio com as principais doenças?

O manejo da adubação, principalmente a nitrogenada, está diretamente relacionada a incidência de doenças.

O desbalanço nutricional (tanto em excesso ou falta) e a época de aplicação equivocada podem favorecer as doenças, como por exemplo o excesso de nitrogênio no inverno favorece a Rizoctonia, assim como a falta do nitrogênio favorece a Esclerotínia no verão.

O equilíbrio nutricional, a orientação profissional e um bom programa de adubação, irão evitar maiores problemas no manejo do nitrogênio.

 

Alguma variedade é totalmente resistente a Rizoctonia?

Não, o fungo que dá origem a doença é um fungo de solo e ataca principalmente as Zoysias. Porém existem vários casos já nas outras variedades, como exemplo as Bermudas e a São Carlos.

O departamento de pesquisa da Itograss sempre trabalha na busca do melhoramento das variedades para a uma maior resistência à esses patógenos.

Podemos afirmar que as variedades Zeon, Geo e Esmeralda Imperial tem uma tolerância maior, desde que conduzidas da forma correta.

 

Por que vocês citaram apenas controle biológico, não existem fungicidas e inseticidas para este tipo de controle?

Existe controle através de fungicidas e inseticidas químicos, porém nossa legislação não permite o uso em áreas urbanas e o controle biológico além de apresentar excelente eficácia, tem interação total com outros fatores abióticos, favorecendo o meio ambiente. É possível encontrar alguns defensivos para o uso domissanitário, porém ainda são poucos os produtos encontrados.

 

Entre a Imperial e a Esmeralda Comum, qual a mais resistente a Rizoctonia?

A Esmeralda Imperial foi desenvolvida pelo departamento de pesquisa da Itograss com intuito de se ter um material genético mais rústico, ou seja mais resistente às doenças e a outros fatores, como por exemplo a resistência a déficit hídrico, irrigação com água de baixa qualidade, adaptação a solos mais pobres, além de outros atributos que puderam acompanhar nas palestras.

A poda muito baixa pode provocar doenças?

Sim, tanto poda muito baixa quanto a falta de poda.

A poda muito baixa, normalmente provoca muito scalping, isso além de favorecer a entrada de patógenos, permiti a infestação de plantas daninhas.

Ao contrário, a falta de poda, forma o colchão (thatch), servindo também de abrigo para insetos e doenças fúngicas.

O ideal é manter um gramado com nível de poda de acordo com cada variedade e seu uso.

 

EQUIPAMENTO PARA MANUTENÇÃO DE JARDINS

Como dimensionar o equipamento de poda com o tamanho da área?

  • Até 1500m² - Cortador de grama
  • De 1500 a 5500m² - Trator
  • De 5000 a 10000m² - Rider
  • De 10.000 a 200.000m² - Giro Zero

 

Existem robôs para diferentes tamanhos de áreas?

Sim, hoje no Brasil são comercializados 3 modelos de Robôs Cortadores de Grama:

  • Automower 105: até 600m²
  • Automower 310: até 1000m²
  • Automower 430X: até 3200m²

 

Entretanto, o tamanho da área não é o único fator a ser considerado na seleção do modelo ideal. Características de complexidade e tempo de operação também devem ser levados em conta. A sugestão é sempre em contato com uma Revenda Especializada Automower para realizar o dimensionamento correto.

 

Como é a instalação dos robôs?

A instalação do Automower é realizada pela própria revenda, que irá entregar o equipamento já em operação. A instalação envolve, entre outros fatores, a instalação de um “Fio de limite”, enterrado ao redor do jardim, que age como uma cerca eletrônica, limitando a área em que o robô pode atuar. Mais informações podem ser encontradas no catálogo anexo.

 

Quando devo recolher as aparas da grama, e quando devo deixar estas aparas?

Se a poda é realizada com frequência, de maneira a não cortar mais do que 1/3 da altura da grama, é recomendado deixar as aparas no gramado. As aparas contém os mesmos nitrogênio, fósforo e potássio que os fertilizantes, portanto deixar as aparas no gramado pode economizar cerca de um terço da quantidade de adubo necessário anualmente.

Entretanto, se a poda não é frequente, o recomendado é recolher as aparas.

O fator climático também deve ser levado em consideração. Nas épocas frias, é mais recomendado recolher as aparas, pois no frio elas não se decompõem tão facilmente e podem gerar um colchão muito espesso. A presença de doenças, como Rhizoctonia, também é motivo para se recolher as aparas, já que você não quer que o fungo se espalhe pelo gramado.

 

Quando a grama esmeralda está muito alta, como devo fazer a poda para não forçar a roçadeira?

O ideal é cortar no máximo 1/3 da altura da grama. Caso a grama esteja muito alta, aumente a frequência com que a poda é realizada, sempre respeitando essa regra do 1/3, até alcançar a altura desejada. Caso contrário, é provável que haja o escalpe do gramado.

Em último caso, quando realmente é necessário cortar uma porção muito grande da folha, o recomendado é que seja realizado em etapas. Corte de cima para baixo, reduzindo a altura a cada passada, como se fossem “degraus”. Dessa forma, a carga sobre a máquina é reduzida.

 

Qual o problema da poda com equipamentos de fio?

O diâmetro do fio de nylon, em comparação com a espessura da folha da grama é muito grande, além de não possuir uma aresta de corte.

Isso causa um “estraçalhamento” na folha, um corte não uniforme, que gera uma superfície irregular e com fibras expostas. Essas finas fibras secam rapidamente, gerando um aspecto amarelado no gramado após o corte. Além disso, a superfície irregular propicia a proliferação de doenças.

Esse tipo de corte é chamado de “corte por impacto” e não é recomendado para gramados onde a estética do gramado é levada em consideração pelo cliente.

O corte com lâmina, caso devidamente afiada, gera um corte muito mais limpo e sem pontas expostas, minimizando este efeito.

 

NUTRIÇÃO DE PLANTAS EM GRAMADOS

Se não houver tempo entre a aplicação de calcário e fosforo no plantio, o que fazer?

O ideal é sempre aplicar o calcário antes da adubação e deixar um tempo para reagir, para que este corrija a acidez do solo, criando condições mais adequadas para o crescimento radicular e aproveitamento dos nutrientes contidos nos adubos. Se não houver tempo entre a aplicação de calcário e o adubo fosfatado, que pelo menos estes não sejam aplicados juntos. Primeiro aplicar o calcário, incorporá-lo a camada de solo e depois aplicar o adubo fosfatado, também o incorporando. Também, caso o prazo for curto, pode ser utilizado a cal hidratada agrícola, ao invés do calcário, que reage muito mais rápido que o calcário, utilizando, em média, 1/3 da dose do calcário.

 

É necessário irrigar o gramado após a adubação de cobertura com um adubo rico em nitrogênio?

Sempre é necessário irrigar com bastante água o gramado após uma adubação, independente de qual tipo de adubo for (com exceção da adubação foliar), para retirar o adubo das folhas e levá-lo ao solo. O adubo deve estar sempre no solo para que solubilize e fique disponível para as raízes da grama.

 

Por que a grama queima quando muito adubo cai sobre as folhas?

 

A maioria dos adubos é constituída de sais. Estes sais quando em contato com água, liberam íons que aumentam o potencial osmótico da solução sobre a folha. A água se movimenta do local de menor para o maior potencial. Como a folha possui 90% de água, com menor potencial, esta acaba saindo da folha, causando uma “desidratação” do tecido da folha. Assim, o adubo sobre a folha “rouba” água da folha, que ficará com a aparência de seca ou “queimada”. O mesmo pode ocorrer quando uma dose alta de fertilizante é aplicada ao gramado. No solo, o efeito da alta dose de fertilizante também poderá impedir que a grama absorva água, podendo haver até a saída de água das raízes, causando a “queima” do gramado. Por isso, é muito importante aplicar a dose adequada do fertilizante e irrigar bastante após a adubação.

 

 

A adubação foliar funciona? Quais as vantagens e desvantagens?

Sim. Entretanto, não tem como fornecer todo nutriente que a grama precisa por meio da folha. A adubação foliar deve ser complementar a adubação via solo ou para corrigir, de forma emergencial, uma deficiência temporária. As vantagens da adubação foliar são: a facilidade e uniformidade de aplicação, rápida resposta, menores riscos de queima, e ideal para micronutrientes.

 

Alguma diferença na adubação quando utilizamos diferentes variedades?

Sim. Algumas espécies de gramas são mais exigentes em nutrientes do que outras, assim como, em função da taxa de manutenção do gramado, e a adubação deve ser diferente também. As gramas Bermuda são as mais exigentes em nutrientes, seguida pela Esmeralda e a menos exigente é a São Carlos. Em relação aos nutrientes, também há algumas demandas diferenciadas em função das variedades, como por exemplo, a grama esmeralda Imperial tem menor exigência em potássio que a Esmeralda; a grama São Carlos exige mais ferro do que a Esmeralda. Dentro de uma mesma espécie e variedade também pode haver diferença na adubação, em função da taxa de manutenção, das condições do solo, do clima e outros fatores. Por exemplo, um gramado de Esmeralda, que é cortado semanalmente, em que as aparas são coletadas (não voltam para o gramado), em um solo arenoso, e em um clima chuvoso e quente, terá uma demanda muito maior por adubação do que um gramado de Esmeralda cortado a cada 15 dias, no qual as aparas são devolvidas ao gramado, em um solo argiloso e em um clima mais ameno e menos chuvoso.

 

Qual a diferença de adubos de liberação lenta de nutrientes e os de liberação rápida?

Existem diferentes categorias de fertilizantes. Os chamados de liberação gradual podem ser divididos em dois tipos: de liberação lenta e de liberação controlada. Os de liberação lenta são fertilizantes constituídos por moléculas grandes (metilenoureia, por exemplo), que ao serem aplicados no solo, dependerão da ação de microrganismos, para quebrar esta molécula e torná-la de um tamanho, no qual as plantas consigam absorver. Consideramos que é uma barreira química para liberação dos nutrientes dos adubos. Este processo intermediado pelos microrganismos é um processo lento, justificando seu nome. Logo, todo fator que interferir nos microrganismos do solo, como umidade do solo, temperatura, pH, etc., vão interferir na disponibilização dos nutrientes de liberação lenta. Já os fertilizantes de liberação controlada possuem em seus grânulos um revestimento (normalmente chamado de “coat” ou “cote”), que pode variar de composição e espessura. Quanto mais espesso o revestimento maior o tempo de liberação. Portanto, a liberação é controlada pela espessura do revestimento, que foi determinada pelo fabricante, justificando sua denominação. Outro fator que vai determinar a velocidade de liberação é a temperatura do solo. Quanto maior a temperatura mais rápida a liberação. O princípio é a sincronização de liberação de nutrientes conforme a demanda da planta. Se a temperatura é mais alta a planta tende a crescer mais, logo, precisará de mais nutrientes e, assim, o fertilizante de liberação controlada disponibilizará mais nutrientes. O tempo de liberação pode variar de dois até 12 meses. A principal vantagem destes fertilizantes é que podem ser aplicados em um número menor de adubações que os convencionais, reduzindo a mão-de-obra. No caso dos gramados, também há a vantagem da liberação gradual promover um crescimento mais lento, reduzindo a necessidade de cortes. Os fertilizantes de liberação rápida são os convencionais, como ureia e 10-10-10, que ao serem aplicados ao solo, havendo água disponível, já liberam seus nutrientes no solo, que podem ser absorvidos pelas plantas ou perdidos do sistema solo de diversas formas. Para maior eficiência de uso dos nutrientes do adubo pelas plantas, este tipo de fertilizante deve ser aplicado parcelado em quatro a doze aplicações ao ano. Como a liberação dos nutrientes é rápida, o crescimento do gramado, geralmente é rápido também, demandando um número maior de cortes.